Entrevista do Jô Soares – 15/03/2012

Paulo Sérgio do Carmo é autor de ‘Entre a luxúria e o pudor’

qui, 15/03/12 por Editor | categoria Entrevistas | tags Paulo Sérgio do Carmo

Paulo Sérgio do Carmo é autor de “Entre a luxúria e o pudor”, livro que trata da sexualidade do brasileiro desde o descobrimento até hoje. Em dez anos de pesquisas, Paulo Sérgio reuniu diversas curiosidades “de alcova” que não constam da maioria dos livros sobre o assunto.

Ele começou a entrevista falando sobre os índios de certas tribos que colocavam taturanas no pênis para deixá-lo inchado. Outros usavam bambus no membro e achavam graça o fato de os brancos não recorrerem ao artifício.

Segundo Paulo Sérgio, alguns índios não se interessavam por mulheres porque estavam muito acostumados a assistirem a um desfile de índias nuas diariamente. Para despertar o desejo deles eram realizadas diversas festas.

Paulo Sérgio também fala de temas como suruba e sexo grupal. No Brasil, a experiência (nos anos 70) não foi adiante. Um imigrante italiano quis instituir uma colônia de troca de casais no Paraná – a colônia Cecília, que não deu certo. Já nos Estados Unidos, a colônia Oneida durou 30 anos.

Há diversas páginas sobre masturbação. Outros achavam que causava tuberculose, perda de memória, crescimento de pelos na mão ou de seios. Paulo revela que, no colégio Pedro II, havia um garoto que se vangloriava de masturbar-se de 8 a 10 vezes por dia.

Além disso, existia um professor de francês que dizia que, se o aluno se masturbasse, a parte branca do olho ficaria amarela. Sobre homossexualidade, Paulo Sérgio conta que ela já existia entre os tupinambás.

Já sobre os hábitos sexuais das brasileiras, Paulo Sérgio diz que elas não gostavam de fazer sexo oral. Era visto como algo sujo. Apenas francesas e polacas admitiam a prática, assim como a de sexo anal.